terça-feira, 27 de setembro de 2016

BC projeta inflação de 7,3% e queda de 3,3% do PIB neste ano

Resultado de imagem para imagens inflaçãoProjeção estoura teto da meta de inflação de 6,5% e fica longe do centro da meta (4,5%), que deve ser perseguida pelo Banco Central

O Banco Central (BC) aumentou a projeção para a inflação este ano. Na estimativa, a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve ficar em 7,3% em 2016, ante 6,9% previstos em junho. O cálculo está no Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta terça-feira (27) em Brasília.
A projeção estoura o teto da meta de inflação de 6,5% e fica longe do centro da meta (4,5%), que deve ser perseguida pelo BC.
Em 2017, a inflação deve recuar e encerrar o período em 4,4%, ante 4,7% previstos anteriormente. O limite superior da meta no próximo ano é 6%, com centro em 4,5%. Para 2018, a projeção é 3,8%.
Essas projeções são do cenário de referência, em que o BC levou em consideração informações disponíveis até o último dia 22 para fazer as estimativas. Nesse cenário, foram considerados o dólar a R$ 3,30 e a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 14,25% ao ano.
Cenário de Mercado
O Banco Central também divulga os dados do cenário de mercado que faz estimativas para a taxa de câmbio e a Selic. No cenário de mercado, a previsão para a inflação neste ano também deve ficar em 7,3%, ante a estimativa de 7% divulgada em junho. Em 2017, a projeção é 4,9%, ante 5,5% previstos anteriormente. Em 2018, a estimativa ficou em 4,6%.
Novos cenários
Neste relatório, o BC também apresentou dois cenários adicionais. Em um deles, para fazer as projeções para a inflação supõe-se que a taxa de câmbio permanecerá constante em R$ 3,30 durante todo o horizonte e que a taxa Selic evoluirá conforme trajetória apurada pela pesquisa Focus, feita pelo BC junto a instituições financeiras. Nesse cenário, a inflação ficará em 7,3%, este ano, 4,8%, em 2017, e 4,5%, em 2018.
O segundo cenário supõe que a taxa Selic será mantida inalterada em 14,25% e que a taxa de câmbio evoluirá conforme projeções apuradas pela pesquisa Focus. Neste caso, a inflação também deve ficar em 7,3% em 2016, caindo para 4,5% no próximo ano e para 4%, em 2018.
Meta de inflação
É função do BC fazer com que a inflação fique dentro da meta. Um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação, é a taxa básica de juros, a Selic.
Sempre que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação.

Cartões de lojas e empréstimos elevam inadimplência em 27 capitais

Resultado de imagem para imagens cartão de creditoSete em cada dez (76,1%) entrevistados que contrataram algum empréstimo estão inadimplentes e compras feitas no cartão de loja aparecem logo em seguida, deixando 73,1% endividados

Empréstimos e cartões de loja são os principais vilões da inadimplência, segundo pesquisa - realizada em 27 capitais - com consumidores inadimplentes pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).
De acordo com o levantamento, divulgado nesta terça-feira (27), sete em cada dez (76,1%) entrevistados que contrataram algum empréstimo estão inadimplentes porque não pagaram as parcelas em dia. As compras feitas no cartão de loja aparecem logo em seguida, deixando 73,1% dos seus usuários com o nome no cadastro de devedores.
Os percentuais se mantiveram estáveis na comparação com o ano passado (74,5% para empréstimos e 74,6% para cartões de loja), mas apresentaram alta na comparação com 2014, quando a crise econômica ainda não havia atingido o seu auge, informou o SPC Brasil.
Pagamentos atrasados no crediário ou carnê (62,5%), as parcelas pendentes no cartão de crédito (62,1%) e o cheque especial (46,9%) vêm em seguida como as modalidades de crédito que mais levaram os entrevistados à inadimplência.
Essas duas últimas modalidades mostraram queda significativa frente a 2015, quando as percentuais haviam sido de 73,6% para o cartão de crédito e de 67,8% para o cheque especial.
O estudo revela, ainda, que muitos estão com restrição ao crédito porque deixaram de pagar em dia contas com algum tipo de serviço. Neste caso, a principal conta responsável por deixar os consumidores com o nome sujo é a de telefone fixo e celular, citada por 14,7% dos entrevistados que possuem esse tipo de compromisso (em 2015, o percentual de atrasos era de 21,7%).
Em segundo lugar, aparecem as pendências com mensalidades escolares, citadas por 9,1% dos entrevistados (em 2015 eram 16%).
Atrasos junto às operadoras de TV por assinatura (7,1%), plano de saúde (6,8%), contas de água e luz (6,1%), aluguel (2,2%) e mensalidade do condomínio (2,2%) completam o ranking dos vilões da inadimplência, quando se tratam das dívidas não bancárias.
Orçamento familiar
Embora a inadimplência apresente patamar elevado em alguns tipos de dívidas, o consumidor brasileiro está evitando assumir novos compromissos financeiros. A pesquisa do SPC Brasil mostrou queda no percentual de inadimplentes que admitiram ter contas assumidas frente a 2015, estivessem elas em dia ou em atraso, em praticamente todos os compromissos pesquisados.
Dentre as dívidas bancárias, o maior recuo foi observado no cartão de crédito. Em 2014, 69,9% dos inadimplentes entrevistados tinham essa modalidade de conta como um compromisso fixo do seu orçamento - estivessem elas atrasadas ou não -, percentual que recuou para 57,5% em 2015 e agora caiu ainda mais para 40,4% em 2016.
Também houve recuo do cartão de loja: de 61,2% em 2014 para 55,2% em 2015 e finalmente para 47,5% em 2016. A única dívida bancária que aumentou a sua incidência entre os inadimplentes na comparação frente ao ano passado foi o financiamento de automóvel, que passou de 10% em 2015 para 12,8%.
No setor de serviços também foi observada uma redução na quantidade de compromissos assumidos. O percentual de consumidores inadimplentes que destinam parte de seus rendimentos para pagar contas de água e luz caiu de 65,0% em 2015 para 57,6% em 2016.
O mesmo aconteceu com os entrevistados que têm despesas fixas com contas de telefone (de 50,7% para 41,9% em um ano), aluguel (de 25,3% para 22,8%), mensalidade de plano de saúde (de 18,2% para 12,1%) e compromissos escolares, como colégio ou faculdade (de 15,7% para 9,1%).

A pesquisa ouviu 602 consumidores inadimplentes, acima de 18 anos e de todas as classes sociais em 27 capitais brasileiras. A margem de erro é de 4 pontos percentuais com margem de confiança a 95%.
 



Reduzir n° de calorias ingeridas pode fazer bem para o cérebro, diz estudo

Resultado de imagem para imagens cerebroEstudos com diferentes espécies animais sugerem haver uma relação entre comer menos e viver mais. Porém, ainda não são bem compreendidos os mecanismos moleculares pelos quais a restrição calórica pode proteger contra doenças e aumentar a longevidade.Novas pistas para ajudar a solucionar o mistério foram apresentadas em artigo publicado este mês na revista Aging Cell pela equipe do Centro de Pesquisa em Processos Redox em Biomedicina (Redoxoma), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da Fapesp.Por meio de experimentos in vitro e in vivo, os cientistas observaram que uma redução de 40% nas calorias da dieta aumenta a capacidade da mitocôndria (organela celular responsável pela produção de energia) de captar cálcio em algumas situações nas quais o nível desse mineral no meio celular encontra-se patologicamente elevado. No cérebro, isso pode ajudar a evitar a morte de neurônios associada a doenças como Alzheimer, Parkinson, epilepsia e acidente vascular cerebral (AVC), entre outras."Mais do que promover as vantagens de comer pouco, nosso objetivo é compreender os mecanismos que fazem com que não exagerar na ingestão de calorias seja melhor para a saúde. Isso pode apontar novos alvos para o desenvolvimento de drogas contra diversas enfermidades", comentou Ignacio Amigo, pesquisador do Instituto de Química da USP.Conforme explicou o pesquisador, o cálcio é uma molécula que participa do processo de comunicação entre os neurônios. Porém, doenças como o Alzheimer podem causar uma superativação dos receptores para o neurotransmissor glutamato nos neurônios, resultando em uma entrada excessiva de íons de cálcio na célula. Tal condição é conhecida como excitotoxicidade e pode causar danos e até mesmo a morte de neurônios.Com o objetivo de verificar o efeito da restrição calórica em uma condição de excitotoxicidade, os cientistas do Redoxoma compararam dois grupos de camundongos. O controle recebeu ração à vontade durante 14 semanas e, no final do experimento, estava com excesso de peso. O outro grupo experimental, durante o mesmo período, recebeu uma quantidade de ração controlada, com redução de 40% nas calorias ingeridas."Calculamos quantas calorias, em média, os animais controle ingeriam diariamente e oferecemos para os demais 40% a menos. Eles não ficavam abaixo do peso, estavam saudáveis, mas suplementamos com algumas vitaminas e minerais que ficariam abaixo do ideal com a diminuição na quantidade de comida", contou Amigo.A restrição calórica induziu um aumento nos níveis de proteínas que fazem as mitocôndrias captarem mais cálcio. Nas mitocôndrias do grupo submetido à restrição houve aumento de algumas enzimas antioxidantes. Segundo os cientistas, tais resultados sugerem um aumento na capacidade cerebral de lidar com o estresse oxidativo – condição que participa da gênese de várias doenças degenerativas."Dados preliminares sugerem que a mudança no transporte de cálcio mitocondrial induzida pela restrição calórica pode acontecer também em outros tecidos, além do cerebral, com diferentes repercussões. Parece ser algo importante e pretendemos investigar melhor




 Agora :
Armazém choperia e Pantanal Juntos na Av. Tiradentes nº801 Almoço e a noite C/ Cardápio variado.

AV. TIRADENTES, 801 TEL (32)88412714

Ou (32)88499142

Endereço: Rua Vereador Eli de Araujo, 197 / Rua Dr. Edmundo Loures, 72 - Fábricas

Tels: (32) 3371-6492 / 3371-6195 / 3371-5716

Governo deve adiar envio da reforma da Previdência ao Congresso

Resultado de imagem para imagens previdencia socialPromessa do presidente era de que o texto seria apresentado aos parlamentares até o fim de setembro, mas deve sofrer atraso por indefinição e eleiçõesO governo do presidente Michel Temer ainda não fechou o texto final da reforma da Previdência e poderá adiar o envio da proposta ao Congresso, inicialmente marcado para a próxima sexta-feira. A indefinição sobre alguns pontos e as eleições municipais são as razões do atraso.Até agora, há acerto sobre a idade mínima, de 65 anos, e o tempo mínimo de contribuição, de 25 anos, mas mesmo este número ainda não está totalmente fechado. Também já foi acertada a definição de uma transição mais longa para mulheres e professores, que será de 20 anos.Depois de uma reunião na tarde desta segunda-feira entre o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, e técnicos do governo, ainda ficaram para ser definidos pontos polêmicos da proposta. Entre eles, as mudanças na aposentadoria rural, no sistema de Previdência dos funcionários públicos e se os militares também serão afetados pela reforma.O governo ainda estuda, por exemplo, como fará a desvinculação do reajuste de benefícios do salário mínimo. A aposentadoria básica continuará regulada pelo mínimo, mas o governo quer retirar essa regra de benefícios como pensão por morte, seguro-desemprego e licença maternidade, mas precisa ver as implicações jurídicas desta mudança e se não há risco de cair por haver decisões judiciais que amparam o reajuste, explicou uma das fontes.A intenção do chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha era fechar o texto nesta segunda-feira para levar na terça a Temer, que apresentaria uma primeira versão a líderes da bancada em um jantar no Palácio do Alvorada. No entanto, a maior probabilidade é que sejam feitas novas reuniões até o final da semana.Apesar da promessa do presidente de que enviaria o texto ao Congresso até o final de setembro, o consenso no Palácio do Planalto agora é de que dificilmente esse prazo será cumprido, não apenas por falta de acordo em todas as propostas, mas por falta de interesse dos parlamentares.As bancadas do PSDB e do DEM pressionavam o governo para que enviasse logo a reforma, em uma mostra do compromisso de Temer com as mudanças. No entanto, de acordo com uma das fontes, líderes governistas já indicaram ao presidente que não têm interesse em receber o texto justamente na semana anterior ao primeiro turno das eleições municipais, com ainda três semanas de campanha até o segundo turno nas cidades com mais de 200.000 habitantes.Um líder ouvido pela agência de notícias Reuters lembra que na próxima sexta-feira dificilmente haverá espaço para a solenidade e o destaque que o governo pretende dar à entrega da proposta de reforma.”Todo mundo só vai estar pensando na eleição de domingo, inclusive a imprensa”, disse. “Que diferença vai fazer mandar na semana seguinte?”O próprio Temer viaja a São Paulo na manhã de sexta-feira. O presidente também havia prometido apresentar o texto aos parlamentares, a empresários e a sindicalistas antes de enviá-lo ao Congresso, e não há tempo esta semana, e nem espaço na agenda.No domingo, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, reuniu-se com representantes da União Geral dos Trabalhadores, que vieram a Brasília especificamente pedir que o governo não envie nada antes de uma reunião com as centrais. “Ele falou com toda objetividade que vai trabalhar para que antes de se encaminhar qualquer coisa haja essa conversa com as centrais. Eu imagino que no máximo em 10 dias”, disse o presidente da UGT, Ricardo Patah.


TOLENTINO & CARVALHO, empresa que oferece serviços de cobrança com objetivo de dar suporte as empresas e instituições auxiliando no segmento de cobrança e de recuperação de crédito."
TOLENTINO & CARVALHO ASSESSORIA DE COBRANÇA 
Rua General Aristides Prado, 15 - Matosinhos
São João Del Rei - MG - CEP 36.305-026

(32) 3372 5203 - (32) 98860 1852 - (32) 98860 8860




LEÃO BURGUER



NOVIDADES:

LANCHES ARTESANAIS E ESPETACULAR TODOS OS DIAS ECETO NAS SEGUNDAS FEIRAS QUE NÃO FUNCIONA.

Melhor lanche da região é indescritível.Só experimentando excelente!!!! A qualidade e o atendimento nada deixam a desejar.Ambiente familhar venha nos fazer uma visita .

VOCÊ MERECE O MELHOR LOCAL COM OS MELHORES PREÇOS DA CIDADE!
Endereço  praça da Biquinha, agora ao lado da auto escola.

PASTELARIA MATOSINHOS



 venha comer o melhor pastel da cidade. 
.
 SUCOS , SALGADOS, 

VITAMINAS, 

LANCHES.

RUA JOSUÉ DE
                    
 QUEIROZ 125.

 MATOSINHOS 



TEL: 33715595 



AV.Andrade Reis, nº 130- Centro São João  

Del Rei- (Próximo a Santa Casa)
Escola de Arte Cantábile
RUA :SANTO ANTONIO, 05- TEJUCO

TEL (032) 33726073

Veja perfil dos candidatos a vereador em Juiz de Fora e São João del Rei

Na cidade da Zona da Mata são 401 concorrentes e 170 em São João del Rei.
Maioria são homens; faixa etária predominante varia de 45 a 59 anos.

Em Juiz de Fora, 401 cidadãos tentam uma das 19 vagas para vereador na Câmara Municipal durante o mandato de 2017 a 2020. O número era maior, chegou a 423, mas cinco candidaturas foram indeferidas, três candidatos renunciaram e 14 ainda estão com recursos impetrados, no entanto, permanecem indeferidos e não terão os votos computados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Já em São João del Rei, atualmente, são 170 candidatos ao cargo, já retirando da conta  quatro renúncias, quatro indeferimentos definitivos e 66 indeferimentos com recurso. A Câmara Municipal da cidade histórica tem 13 cadeiras e 11 dos atuais vereadores estão concorrendo à reeleição – dois deles entre os indeferidos com recurso.
Em 2016, de acordo com as estatísticas do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), cerca de 68% dos candidatos são homens, quase metade - 47% - têm entre 45 e 59 anos e 125 contam com ensino superior completo.
A principal ocupação dos candidatos é o empresariado, declarado por 43 deles; seguido por comerciantes, com 25 representantes; e advogados, com 19.
Ainda segundo o TRE-MG, apenas cinco partidos lançaram todos os 29 candidatos ao Legislativo permitidos na cidade – PC do BPHSPRBPSB e PSC - todos com 20 homens e nove mulheres na disputa.
Já em São João del Rei, as candidaturas aptas praticamente se mantiveram desde o último pleito. Em 2012, foram 176 pessoas disputando as vagas do Legislativo, apenas seis a mais que na eleição atual. Este ano, mais de 67% dos candidatos são homens e cerca de 43% têm de 45 a 59 anos e 19% contam com ensino superior completo.
O TRE-MG também divulgou que os dois partidos que mais legitimaram candidatos para a disputa foram o PDT e o PSDB, com 24 cada – 16 homens e oito mulheres. Entre todos os candidatos, 25 são aposentados e 19 são servidores públicos municipais, principais funções declaradas.
Mudança de endereço e telefones Prefeitura
Resultado de imagem para imagens prefeitura municipal sjdrA prefeitura de São João del-Rei comunica à população a mudança de endereço de sua sede para a Rua Padre José Maria Xavier, nº 174 ao lado da Secretaria de Cultura, no Largo do São Francisco.Esclarecemos que o prédio da Cadeia necessita de  e revitalização e que faz parte do PAC cidades Históricas, necessitando de um projeto de restauro muito bem elaborado. Dessa forma, para dar início à construção do projeto executivo do restauro a melhor opção foi a mudança de endereço, liberando o prédio para as intervenções necessárias e garantindo um trabalho de qualidade e a segurança dos servidores. Inclusive com reparos no telhado, que após as chuvas do verão passado, apresentou infiltrações. 
Telefones em funcionamento do novo endereço:
  • Gabinete 3373 4466
  • Governo 3373 4469
  • Comunicação 3373 4461
  • Recepção - 33734475
Assessoria de Comunicação da Prefeitura de São João del-Rei
(32) 3379-2915 - (32) 3379-2918
Veja mais notícias: www.saojoaodelrei.mg.gov.br


POSTO VIANINI
Acumule abastecimentos *e a cada 1000 litros abastecidos do mesmo produto, você ganha 40 litros.
Procure a administração e conheça outras novidades.

VALIDO SOMENTE PARA ABASTECIMENTO A DINHEIRO.

  Time que está ganhando não se mexe. No Posto Vianini, os clientes que experimentam comprovam: a Gasolina V-POWER Limpa, protege e melhora consideravelmente o desempenho do motor.  Abasteça com V-POWER, o seu carro agradece!
 
       Com a melhor localização da cidade e um amplo espaço físico com conforto e facilidade para as manobras dos motoristas, o posto Vianini também oferece serviços como troca de óleo rápida e confiável por profissional especializado, lavagem, lubrificação, variedade de lubrificantes, loja de conveniências com o melhor PÃO DE QUEIJO RECHEADO do bairro das Fábricas, facilidade no pagamento, além de um ambiente agradável e familiar.
Neste posto você pode confiar!
Posto Vianini, revendedor Shell 
Av. Leite de Castro nº 1670 no bairro das Fábricas



  • DEL.REY.PEDRA SABÃO

  • Venha  conhecer  nossos  produto

    LARGO. DO.ROSÁRIO, 40 SÃO
    JOÃO DEL REI MG

  •   FONE (32) 33713


  • Aproveite as grandes 



    marcas, c/ melhores 



    preços 
      
     



    V.Leite.de.Castro,1600 Bairro das Fabrica

  • (ao.lado.do.posto.Vianini)
Secretária do MEC fala sobre mudanças no ensino médio no Brasil
Educação Física vai ser obrigatória em apenas metade do ciclo. 
Na outra, o estudante só vai fazer se estiver dentro da especialização.
A discussão envolvendo as mudanças no ensino médio ganhou mais um componente. Em entrevista ao Jornal Hoje, a secretária do Ministério da Educação confirmou que a Educação Física vai ser obrigatória em metade do ciclo, ou seja, nos três primeiros semestres.
Nesta terça-feira (27), o Ministério da Educação explicou que no novo ensino médio, a Educação Física só vai ser obrigatória na primeira metade do curso. Na outra, o estudante só vai fazer se a disciplina estiver dentro da especialização que ele escolher.
O Ministério da Educação diz que no primeiro um ano e meio de curso, os conteúdos básicos vão continuar os mesmos. Educação Física está dentro de Linguagens, junto com Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, no caso o inglês e arte. Biologia, Física e Química dentro de Ciências da Natureza e História, Geografia, Filosofia e Sociologia dentro de Ciências Humanas e Matemática.
Na segunda metade do ensino médio, o estudante vai escolher uma dessas áreas para se especializar ou optar pelo Ensino Técnico profissionalizante.
O texto publicado pelo governo na semana passada traz, apenas, Língua Portuguesa, Matemática e Inglês como obrigatórios no novo Ensino Médio.
Os conteúdos obrigatórios que não foram citados na medida provisória estarão na base curricular comum, que já estava prevista na lei de diretrizes e bases da Educação, mas só agora, vinte anos depois, vai sair do papel.
A previsão é de que essa nova base de conteúdos para a elaboração dos currículos esteja pronta no primeiro semestre do ano que vem. Depois disso, as escolas ainda terão dois anos para implementar as mudanças.

Antes de definir, o MEC vai ouvir as sugestões dos professores, especialistas e gestores em educação a partir do mês que vem.
Brasil caminha para trás, rumo a mais uma década perdida.

Número de novos desempregados é igual ao de novos inadimplentes no país: 3,2 milhões

A perda de empregos com carteira assinada é a maior desde 2002. Já o estoque total de desempregados é o pior dos últimos cinco anos. A quantidade de brasileiros inadimplentes é a mais alta desde 2012. Os alimentos nunca estiveram tão caros desde os anos 2000. E a taxa anual dos juros do cartão de crédito é a maior desde 1995. Com essa coleção de recordes negativos, o Brasil caminha para uma nova década perdida. Para o coordenador do curso de economia do Ibmec, Márcio Salvato, a situação é pior do que a chamada década perdida dos anos 80 porque, agora, a perspectiva de recuperação é bem mais lenta.

“Tivemos uma recessão no inícios dos anos 80, com superinflação e juros internacionais muito altos, o que inviabilizou o crédito. Mas nos recuperamos. Depois, em 1990, na época do Collor, outra crise com o congelamento da poupança. Mas em 1994 já conseguimos nos recuperar. Agora trata-se de uma crise de endividamento. O governo não tem dinheiro para investir em uma solução e vai ter que depender de capital externo. Para tanto, tem que criar credibilidade, por isso está falando em mudanças sérias na Previdência. A previsão de recuperação é só para 2023”, avalia Salvato.

O professor de economia em MBAs da Fundação Getulio Vargas/Faculdade IBS Mauro Rochlin ressalta que, de fato, é o pior momento da economia brasileira. “O período dos últimos dois anos, com uma retração acumulada de 9% no Produto Interno Bruto (PIB), não tem precedentes. E essa crise começou muito antes, quando o governo começou a abusar dos gastos públicos e se endividar de maneira temerária. Isso gerou desconforto nos agentes econômicos, os investimentos foram suspensos, e o desemprego subiu. A inflação corroeu o poder de compra, e, onde tem desemprego e inflação, tem inadimplência”, explica Rochlin.

Relação direta. De acordo com levantamento da Serasa Experian, no primeiro semestre de 2016, o total de devedores alcançou 59,6 milhões de brasileiros. “São pessoas com pelo menos uma dívida vencida. Em menos de um ano, o volume de inadimplentes subiu 10%. E isso aconteceu por causa do aumento do desemprego”, afirma.

A economista da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-BH) Ana Paula Bastos afirma que basta comparar o total de desempregados com o número de inadimplentes para confirmar a relação direta. Em relação ao ano passado, 3,2 milhões de pessoas entraram para o cadastro negativo. No mesmo período, segundo dados da Pnad do IBGE, 3,2 milhões de brasileiros engrossaram a lista dos desempregados.

“As pessoas não querem ficar inadimplentes porque ficam sem crédito. Mas com a inflação e o desemprego, elas estão estranguladas”, comenta Ana Paula. Só em Belo Horizonte, o total de dívidas em atraso subiu 4,11% em agosto, o pior resultado desde 2013. “É uma crise com origem em uma política fiscal errada, pois o governo deixou que o topo da meta da inflação virasse o centro”, critica Rochlin.
PIB per capita
Pior. De acordo com relatório do Goldman Sachs, em dois anos apenas, o PIB per capita encolheu 9,7%, mais do que os 7,6% acumulados no período chamado de década perdida, de 1981 a 92.

10 dicas quentíssimas para enfrentar o calor

 Resultado de imagem para imagens de verduras e frutas
O verão é uma das estações mais bonitas e divertidas do ano. Nessa época, a incidência solar é muito grande e, com isso, o calor aumenta. Algumas pessoas têm a oportunidade de ir à praia ou piscina para se refrescarem, entretanto, outras continuam com sua rotina de trabalho nas grandes cidades e, nesse caso, o excesso de calor pode ser um empecilho. As pessoas muitas vezes podem ficar cansadas, irritadas e com problemas para dormir devido ao aumento de temperatura.

Para evitar os cansaços e incômodos causados pelo calor, veja nossas dicas de como agüentar dias muito quentes:

1. Use e abuse dos líquidos: procure se hidratar com muita água e sucos naturais de fruta, de preferência, sem açúcar e gelados. Água de coco e chás gelados também são uma boa pedida. Mas ATENÇÃO: evite refrigerantes e bebidas muito calóricas, pois contém muito açúcar e podem te fazer ganhar peso.

2. Procure ingerir alimentos leves. Dê preferência às frutas, legumes e verduras. Abuse das saladas, grãos integrais e carnes brancas, como aves, peixes e frutos do mar, de preferência cozidas ou grelhadas. ATENÇÃO: verifique sempre a procedência dos peixes e frutos do mar, nesse calor, eles estragam rápido.

3. Se você estiver no trabalho ou escola, procure, constantemente, molhar o rosto, nuca, braços e mãos. Essas regiões ajudam a trocar temperatura com o ambiente e ajudam no resfriamento do corpo. Uma boa saída é manter um borrifador de água na geladeira para aplicar constantemente.

4. Se o seu carro ficou no sol, antes de entrar nele abra as portas e janelas para permitir que o calor saia. Proteja os pára-brisas com um papelão e o volante com um pano.

5. Se você está na praia ou piscina, evite os horários de maior incidência solar, normalmente das 10-15h. Procure tomar sol antes das 10 ou depois das 15h. Durante esse período, proteja-se com bonés, chapéus ou embaixo de guarda-sol. ATENÇÃO: dê preferências às barracas de algodão ou lona, que absorvem mais a radiação.

6. Se você trabalha na rua e não tem como se abrigar do sol, use um boné, roupas claras e hidrate-se constantemente. Não se esqueça do protetor solar, que é obrigatório antes de sair ao sol. Quando tiver oportunidade, proteja-se na sombra.

7.  Em casa, procure manter janelas e portas abertas para ventilação. Mas cuidado com os insetos: use inseticidas ou telas para evitar sua entrada.

8. Se estiver na academia, procure fazer atividades físicas leves com menos intensidade em dias muito quentes. Hidrate-se constantemente e use roupas leves, nada muito apertado.

9. Evite ficar muito tempo com o ar condicionado ligado. Ele resseca o ar e as vias respiratórias, podendo causar irritação de garganta e mucosas. Prefira o ventilador. Utilize sempre vento indireto para que o ar do ambiente seja todo circulado. Prefira os ventiladores de teto.

10. Procure tomar vários banhos ao dia, com a temperatura da água não muito quente. É importante que uma janela do banheiro esteja aberta para evitar que o vapor se sature e o ambiente fique abafado. Mas ATENÇÃO: os banhos não precisam ser demorados, pense sempre no racionamento de água.
Com essas dicas o seu verão será muito mais divertido e você terá muito mais disposição!

JORNAL O PROGRESSO
CNPJ 07.527.960/0001-53
RUA JOSÉ ALVES DE ABREU, N 20, TEJUCO
TELEFAX(32) 33734311 ou (32) 84244418
email: jornaloprogresso@bol.com.br ou robertoviriato@gmail.com
PARA LER AS NOTÍCIAS : ACESSE A PESQUISA GOOGLE JORNAL O PROGRESSO SÃO JOÃO DEL REI MG
SINDICALIZADO NO SINDIJORI REG. 435 ( SINDICATO DE JORNAIS DE MG )
INSCRIÇÃO MUNICIPAL: 4585505
INSCRIÇÃO ESTADUAL ISENTO